top of page

OBRIGADA

pela sua visita. Se você quer

ir direto para minha

produção e currículo,

por favor:

418826_4444752954085_1912674535_n.jpg

Mas se você tiver algum tempo sobrando, podemos conversar um pouco e eu explicarei brevemente sobre os caminhos que percorri como jornalista, professora - e conteudista Ead - e fotógrafa - com exemplos práticos. Então por favor, siga em frente.

Captura_de_Tela_2019-12-14_às_18.37.37_c

São 20 anos de docência no ensino  técnico e superior presencial  e  12  dedicados a produção de materiais e gravações para instituições de educação a distância.  Para ver mais alguns exemplos de minhas teleaulas, você pode clicar aqui e também  aqui.

Atuo como professora na rede municipal e estadual de ensino e sou  presidenta da Comissão Municipal de Cultura de Imbituba/SC, onde criamos e seguimos políticas públicas para Arte e artistas.

Além de pesquisar para meu projeto de doutorado, onde quero amalgamar meus conhecimentos de audiovisual com m-learning para afetar (adolescentes).
A fotografia ainda é  uma importante  da minha existência artística.

Comecei minha vida profissional, no entanto, como jornalista freelancer, e aprendi - em 20 anos de experiência em comunicação - a ouvir e a observar os gestos, para muito além das palavras. Percebi que a verdade pode estar em lugares diferentes ao mesmo tempo e que o papel da/do repórter - de viver momentaneamente as aflições de outros seres humanos - me impele a refletir constantemente sobre minha própria existência e quais devem ser as prioridades da vida.

Enquanto coordenadora da assessoria de comunicação da Superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra / SC), pude observar de perto a política agrária nacional, suas relações e contextos: muitas vezes violentos e sempre desiguais.

 

Realizei coberturas variadas e fotodocumentei todos (os projetos e)

os  assentamentos do estado até

aquele momento. Produzi o plano de comunicação e o estratégico da superintendência e busquei a aproximação com a sociedade civil,  através de projetos e parcerias.  Supervisionei  a produção de informativos; realizei atendimento a imprensa, apoiei a  organização de eventos; fiz atendimento das famílias assentadas na Ouvidoria; recepcionei  embaixadores, mediadores de conflitos, secretários de estado,procuradores, consulês;  preparei coletivas; media trainings, entre outras tarefas, enquanto chefe da assessoria de comunicação naquele contexto.

 

Todo o aprendizado que tive também como diagramadora do jornal Diário Catarinense (Grupo NSC) um ano antes, me serviu para garantir o cuidado com o conteúdo editorial da assessoria.

 Viajei mais de 250 mil quilômetros de carro pelo Incra e conheci lideranças do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra, bem como centenas de famílias assentadas - e por assentar - de vários estados. 

Infelizmente, documentei o ingrato protagonismo da gente brasileira, na guerra por respeito e, no caso, por um pedaço de terra.  Sempre, ao saltar do carro - quando minhas botas tocavam

o solo árido e pedregoso em uma área acidentada, quase desértica onde pessoas haviam sido assentadas -percebia a força hercúlea que teriam que dispor para vencer naquela situaçãoNessas ocasiões, ecoavam em mim as palavras amargas  e certeiras de João Cabral de Melo Neto, em

 

“Morte e Vida Severina”, o dramático poema lindamente musicado por Chico Buarque:

 

“É uma cova grande pra teu defunto parco

Porém mais que no mundo te sentirás largo

É uma cova grande pra tua carne pouca

Mas a terra dada, não se abre a boca...

[...]É a parte que te cabe nesse latifúndio”.

 

A luta diária contra o preconceito e todos os tipos de adversidade - e isso significa: a vida - a violência e a morte - avizinhadas e íntimas, dia e noite,  em tendas de lona preta, Uma experiência que nunca mais se apagou: inestimável e difícil. 

arvoreeceudramatico.jpg

Como fotógrafa, estou convencida de que a realidade tem muito mais que mil facetas; que uma ética fotojornalística / fotodocumental deve ter o compromisso com o respeito na alegria e na dor daquela ou daquele que é muito mais que um personagem: é outra ou outro ser humano.

 

Eu também aprendi que ensaios fotográficos tem muitas dimensões e camadas. Uma mistura de precisão, singularidade e casualidade, uma vez que a vida é fiel apenas à própria imprevisibilidade - e é exatamente isso que me mantém ainda apaixonada por relatar ou conceber uma realidade na fotografia.

 Quando vi a película se transfazendo em digital, percebi que, em algum momento, toda a flexibilidade do arquivo da imagem em bits mudaria a forma de, não só produzir, mas também,  de como vemos e  de como vivemos com o universo imagético. Desde então acompanho sistematicamente  a reflexão sobre o que vem sendo chamado de pós-fotografia ou de fotografia expandida - na falta ainda de uma designação, penso, mais certeira.

A partir também deste  aprendizado,  da prática profissional fotodocumental e artística, e das reflexões, surgiu o conceito de “fotografia orgânica” há 15 anos. A Fotografia Orgânica busca a espontaneidade e o bom uso da técnica fotográfica - sem o auxílio de grandes mecânicas, artefatos, dúzias de pessoas no set, além de volumosos equipamentos de iluminação.

 

É uma prática fotográfica que não colabora com o uso desgovernado de ferramentas de edição porque o corpo é valorizado naquilo que possui de mais frágil e poderoso: a carne e sua transitoriedade.

Tenho um projeto fotográfico especial e de longo prazo que reflete minha indignação pela opressão e pelo maltrato reiterado a que muitas sociedades sentenciam o corpo humano - exatamente por todas as maravilhas indomáveis que ele pode.

 

O corpo, de constelação de possibilidades,  é reduzido a uma massa de ideais pouco generosos -  frequentemente inadequados - que nos serve estereótipos desumanos. São tantos os transtornos desnecessários ao custo da saúde mental dos seres humanos,  que urge  a reflexão e a mudança.  

Aesthesis é uma apropriação do corpo para naturalizá-lo, livre da objetificação e do molestamento. Capto corpos nus, de classes sociais diferentes, de origens culturais múltiplas - gente que se deixa fotografar -

porque o corpo é o que mais nos individualiza, e também, é aquilo que mais nos irmana.

 

Carne, pele, músculos, recantos, minúcias -eu corto, entrelaço, confundo, em planos muitas vezes fechados - com altos ISOs. Vejo pessoas com outros olhos - menos discretos e mais benignos e eu navego despreocupadamente nessa fronteira imaginária entre erotismo e/ou pornografia (que inexiste?).

Me diga você? :)

Quer ver todas as imagens? Clique aqui, se for maior de 18 anos.